Mamoplastia Redutora

 

 

Mamas muito grandes, volumosas, pesadas e desproporcionais muitas vezes causam problemas de postura e coluna nas mulheres, além da insatisfação estética. Para acabar com esses problemas estruturais e melhorar o aspecto visual, a Mamoplastia Redutora é o caminho ideal. A cirurgia trata de reduzir o volume e melhorar as formas das mamas, harmonizando a aparência e elevando a auto-estima.

 

 

 

Como é a cirurgia?


Nos casos de redução de volume e levantamento da posição das mamas, é possível optar por vários volumes, considerando as características da mama original e a sustentabilidade dos resultados. dentro das possibilidades que a mama original nos permita planejar, sem compromete-la futuramente. Deverão ser equilibradas as proporções entre o volume da nova mama e o tamanho do tórax da paciente, garantindo a harmonia estética.

É feita uma incisão em forma de “T”, “L” ou “I”, conforme formato da mama, para remoção do tecido mamário, do excesso de pele e gordura e reposicionamento da aureola. A escolha da técnica e, conseqüentemente, da cicatriz resultante, depende do tipo da mama, do excedente de pele e do volume de glândula mamária a ser removido. Independente da técnica, o posicionamento das incisões é cuidadosamente escolhido para tornar as cicatrizes discretas.

 

Indicações


Além da finalidade estética, a mamoplastia redutora também é indicada como recurso complementar no tratamento profilático de certas doenças da mama (casos especiais) e como prevenção de problemas causados por mamas muito grandes: infecção cística das mamas; dor nas costas, cabeça, ombros, pescoço e mamas provocada pelo peso; perda da sensação nas mamas; problemas para dormir relacionados a mamas grandes; estrias; insatisfação estética, entre outras.

Os candidatos ideais são:

- Indivíduos saudáveis que não possuam doença com risco de vida ou condições médicas que podem prejudicar a cicatrização;
- Não-fumantes;
- Indivíduos com visão positiva e expectativa real quanto aos resultados da cirurgia.

 

Resultados


Apesar de resultado imediato ser muito bom, somente entre o 8º e 18º mês é que as mamas atingirão sua forma definitiva. Normalmente as cicatrizes ficam com bom aspecto e tornam-se mais discretas após um ano da operação, exceto em pessoas com problemas cicatriciais. A paciente deverá ficar afastada de esforços por 30 dias, evitando nos primeiros 14 dias de elevar os braços. Deve-se usar um sutiã cirúrgico por aproximadamente um mês, dependendo da orientação médica. A prática de esportes poderá ser retomada após dois meses.

Para pacientes que desejam engravidar, o resultado poderá ser preservado, desde que haja um acompanhamento especial para controle do aumento de peso na nova gestação. Quando se tratar de mamas muito grandes, que foram reduzidas acentuadamente, a lactação poderá ficar prejudicada. Em casos de pequenas e médias reduções a lactação poderá ser preservada.